terça-feira, 29 de junho de 2010

Um tablete e meio de preguiça

Tenho decisões a tomar hoje, decisões as quais já tomei. Espero que eles esqueçam as demagogias e 'valores', e as entendam. Tenho que confessar, saber que sentirei algo tão real, doloroso, me instiga. Seria decepcionate descobrir que é apenas um impulso, por existência, não seria certo, não seria eu, não seria feliz.

Ainda á neblina agora de manhã, radiantemente acho que o sol não vai bater na minha janela hoje, nem causar reflexo no meu computador. É tão bom essa sensação de começo que só sentimos logo de manhã. Não quero perder essa coragem, esse medo do não medo, da vontade de sentir algo, sentir algo só meu -ando divagando muito sobre isso. Mesmo que eu só descubra se isso é bom, ou, não quando não haver mais volta.

O dia de hoje pode me causar confusão, por isso, me sinto meio preguiçosa, com vontade de não sair de casa, aqui está seguro agora. Não quero perder minha esperança, costumo demorar muito para fazê-la se agarrar na minha alma. Mas eu sei... sou desesperançosa o suficiente para passar por isso. Está tudo certo, é bom sentir isso, escolher o caminho e não ele á você.

Perdoem-me minha inscontância, no que diz respeito a escrever sobre mim, eu não deveria escrever nada! Porque oque eu mesmo sei sobre mim é muito pouco, é muito pobre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário